Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Barrigas de aluguer e PMA.

por Claudia, em 13.05.16

Barrigas de aluguer - a primeira vez que me deparei com este conceito era miúda, e foi num filme que passou na televisão. A Mãe carregava o bebé da filha e do genro, pois esta não podia. Na altura achei aquilo um bocado estranho, mas principalmente altruísta e bonito! Os anos foram passando, fui lendo sobre o assunto (esta ou aquela famosa fizeram, mais filmes, artigos, etc) mas nunca lhe dei a devida importância. Hoje, enquanto mulher "em idade fértil", casada e com planos de constituir uma família a médio prazo, foi uma agradável surpresa descobrir que o projeto-lei do Bloco de Esquerda permitindo a maternidade de substituição, conhecida por "barrigas de aluguer", foi aprovado no Parlamento. Se um dia eu estiver impedida de ter filhos por problemas de saúde não sei se irei pedir à minha irmã para carregar os meus bebés, mas acho fantástico que essa hipótese exista e já seja uma realidade em algumas famílias, permitindo que os casais tenham filhos biológicos apesar da mãe não conseguir ficar grávida. Parece-me importante realçar que a lei especifica que isto é válido nos casos de ausência do útero, de lesão ou de doença que impeça de forma absoluta e definitiva a maternidade. Isto porque, e é a minha opinião, acho um pouco fútil que se recorra a uma barriga de aluguer só porque não se quer engordar ou estragar o corpo. Se uma mulher é egoísta a esse ponto, se calhar não está preparada para ser Mãe... Adicionalmente, foi também aprovado o projeto de lei para alargar o acesso à Procriação Medicamente Assistida (PMA) a mulheres solteiras ou em união de facto com outra mulher. E este é outro grande avanço. Mais uma vez na minha óptica, imaginemos que eu não tinha encontrado o B e chegava aos 30 ou 35 solteira. Era justo estar impedida de ter filhos e me concretizar plenamente como mulher só porque não encontrei o amor da minha vida, estando a tecnologia ao alcance de outras mulheres numa relação? Não me parece. E não acho que o facto de criar uma criança sozinha seja prejudicial para a mesma. O mesmo se aplica a crianças criadas por casais do mesmo sexo que, se podem adoptar, porque não recorrer à PMA? Sei que o tema é muito muito complexo, sei que há tantas crianças sem Pais e que se calhar devíamos tentar adoptá-las em vez de insistir em "meios artificiais" para ter filhos. Mas a verdade é que ter filhos é algo tão bonito e especial que, face ao avanço da ciência, me parece uma evolução natural e justa. Veremos os próximos capítulos, mas a meu ver é algo para celebrar e louvar.

1.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Imagem de perfil

De Maria Bem-me-Quer a 21.05.2016 às 10:46

Um mulher solteira pode recorrer á ciencia para ter filhos, mas um homem não.... Onde está o direito de igualdade de oportunidade nisso?!
Imagem de perfil

De Claudia a 23.05.2016 às 16:00

Sinceramente nunca tinha pensado nisso, sendo que a primeira questão que me ocorre é que um homem não tem útero. Avançando para a PMA e para a maternidade de substituição, de facto é um ponto válido. Actualmente efectivamente os homens só podem recorrer à adopção.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Instagram




view my food journey on zomato!



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D