Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O significado do não.

por Claudia, em 06.07.15

Sempre achei que o não grego seria um tiro no pé, mas nunca essa noção se tornou tão evidente como depois de ler este artigo. Só posso acreditar que quem votou não não tinha noção da realidade. A escassez de medicamentos essenciais, de comida, de gasolina, de praticamente tudo aquilo de que precisamos no dia a dia, e, muito provavelmente (aliás certo, diria eu), a tremenda insegurança que se criará nas ruas. Vermos, de um dia para o outro, o estilo de vida a que estamos habituados ser-nos arrancado, voltarmos quase às cavernas, quando nem sequer sabemos acender uma fogueira. E ainda assim, perante tal cenário, ver os idiotas gregos a celebrarem a vitória do não nas ruas deixou-me estupefacta. É assustador constatar o quão limitativa é a ignorância humana. E é ainda mais assustador perceber o quão frágil é o mundo em que vivemos, o quão dependentes estamos de terceiros e realizar que, afinal, o "nosso" dinheiro no banco não está assim tão seguro... Muito medo do que aí vem. 

 

 

Numa nota mais leve, imaginem a cara dos turistas no momento em que perceberam que os cartões de crédito já não funcionavam na Grécia...

 

*Actualização - outra visão interessante.


4 comentários

Imagem de perfil

De Claudia a 06.07.2015 às 14:10

Bastante interessante, e de facto um acto de coragem interessante, desde que os gregos estejam dispostos a assumir as consequências da sua decisão, o que não parece ser o caso... não podem querer ser contra a união mas manter a vontade de serem ajudados. Veremos o que acontece, e espero sinceramente que se resolva e se evitem os cenários de catástrofe que por aí se profetizam!
Imagem de perfil

De Gaffe a 06.07.2015 às 14:34

Não existe outra saída a não ser o assumir as consequências da decisão que foi tomada. Não é mau. Não encontro nenhum problema nessa atitude e nessa exigência.

Creio que se está a propagar a imagem de um povo absolutamente irresponsável, imaturo, caloteiro, trapaceiro, inconsequente e parvo que quer apenas viver à custa de alheios. Isso é perigoso e não dignifica quem quer que seja.
Imagem de perfil

De Claudia a 06.07.2015 às 14:51

De facto, foi uma atitude corajosa e, de facto também, quantas vezes não me apetece mandar os políticos às urtigas e começar da estaca zero. Eles têm agora essa oportunidade, mas importa relembrar que a sua decisão teve um impacto bastante negativo nos mercados que renegaram mas a quem "precisam" de recorrer para obterem crédito, pois, e isto é um facto, de momento não têm dinheiro. O PIB grego tem vindo a decrescer desde 2007. Claramente que, mesmo com a injecção de capital alheio, continuam numa espiral negativa resultado da sua governação, não de governação alheia. E ou mudam drasticamente a mesma, ou em pouquíssimo tempo estarão na miséria. A minha única questão é se têm efectivamente noção das mudanças que eles próprios vão ter de implementar, muitas das quais os gregos vêem como caprichos da troika.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Instagram

view my food journey on zomato!



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D